Branca folha de papel,
quantas lágrimas
derramei em tua
brancura...

...quando os amores
partiam...
quando o coração
doía...

Hospedou com tua
cálida cor,
as flores que compunham
os meus versos!

Branca folha de papel,
somos íntimas,
irmãs, confidentes!

Quando tudo parece
não ter razão de ser,
surge você,
permitindo que escreva
o que toca o fundo de meu coração!

Na solidão
é em ti
que derramo
minhas rimas.
- e não mais me sinto só!

Em ti lastimo,
louvo
e
repudio!


Branca folha de papel
onde habitam
meus mais puros sentimentos!


Cleidiner Ventura/anjo - 13.01.2005