SILÊNCIO

 

 

 

 

Quando no silêncio

da madrugada

ouço aflita

as vozes do coração,

 

relembro com clareza

dos amores que tive...

das ruas que andei,

das terras que viajei...

 

De tudo que poderia ter sido

e nunca foi...

 

Cleidiner Ventura (Anjo)

Abril de 2003