SONHO  

A chuva

quando caía

lá distante,

em minha terra...

 

era um momento mágico,

por horas eu ficava

na vidraça observando

 

os desenhos que ela fazia

ao escorrer pelo vidro;

 

quantos anjos,

passarinhos,

buquê de flores

não vi.

 

Se muito frio

estivesse,

com os dedos eu desenhava,

no vapor

meus lindos sonhos.

 

Me pergunto quase sempre,

- porque hoje eu não vejo

as imagens que via antes,

se a chuva continua

a lavar minha vidraça?

 

Porque não desenho,

os lindos sonhos

que tinha?

 

Será que de tão sonhados

perderam-se

no tempo...

ou tornaram-se

realidade?!

Cleidiner Ventura/Anjo - SP.30.03.2003

VERSION EN ESPAÑOL