VERDES CAMPOS

Verdes campos de minha terra

 que aos olhos inebriam.

0 trigo o arroz e a cana;

café, soja e a pastagem!

 

Só de lembrar

sinto o cheiro,

da terra escura e molhada,

quando a chuva de agosto

caia que dava gosto!

 

Verdes campos de minha terra

tão distantes hoje estão,

mais tão perto ficaram,

de meu saudoso coração.

 

Verdes pastagens

que os gados

brancos, pretos e malhados

saboreavam pela manhã.

 

Campos que os homens da terra

lidavam com devoção,

mãos grossas, calejadas

deitando adubo no chão.

 

Verdes campos de minha terra

tão distantes hoje estão,

mas restaram retratados

em minha alma e coração!

 

Esses olhos, de emoção,

choram lágrimas saudosas,

pois jamais ousarão esquecer

as imagens verdejantes

dos verdes campos de minha terra!

( Homenagem à Santa Cruz do Rio Pardo/SP )

 Cleidiner Ventura (Anjo) - 04.09.2003

Poema publicado no livro " 1ª ANTOLOGIA POÉTICA "